dezembro 15, 2014

As reticências


O despertador tocou e eu disse a mim mesma que era parte do sonho. Acordei mais ou menos lá pela hora do almoço. Me senti um pouco culpada. Passei a madrugada folheando as páginas de um livro, fazia tempo que não lia algo tão bom.

Não sei se é coisa de quem gosta de escrever, mas depois de terminar de ler um livro, comecei a trazer algumas lembranças de volta. Isso nunca é bom. Sempre acabo me prendendo por entre as dúvidas que tive, misturo com as atuais e com o que você costumava me dizer.

Você era contra eu e você, preferia ‘’nós’’. Você gostava de romance, eu, nem tanto. Seu carinho excessivo comparado a mim, me fazia parecer fria. Você arriscava, enquanto eu, mantinha os pés no chão. Você sempre cheio de palavras e eu, somente as necessárias. Talvez, nós tenhamos nos perdidos nas palavras que eu deixei de dizer. Eu posso colocar um pouco da culpa em mim.

E faz tempo que meu coração tá numa agitação. Tá cansado do drama, das mesmices e das mesmas tardes de verão. Chega uma hora que a gente cansa de ouvir o mesmo, e você agora parece tão longe que eu não consigo mais te ouvir me dizendo pra ter coragem.

Mês passado, eu já não lembrava tanto de você. Foi quando você apareceu dizendo sentir saudades. Pensei em responder de imediato, mas deixei. Eu fui tomar um banho, tomei um gole de café, saí de casa e deixei que as palavras voltassem a fazer sentindo. Se você ainda pensa em mim, fico feliz em saber. Mesmo que seja qualquer bobagem. Mesmo que seja quando você vê algo por aí e lembra de mim. Foi bom saber.

Demorou, mas eu sabia que qualquer dia desses, te escreveria algo. Eu tenho nada e tanto pra dizer. Tem dias até que me atrevo a lembrar, dizer que sinto falta e que essa saudade insiste em permanecer, por mais que outras pessoas tenham aparecido, que novos dias tenham surgido, novos papos, novas ideias, eu escrevo sobre você na entrelinhas, torcendo pra que ninguém perceba

Se amanhã a gente se esbarrar numa esquina, na praia, ou em uma festa qualquer, não se assuste se eu não for mais a mesma, é que o tempo tem a mania de mexer comigo.

Talvez eu diga: ‘’Oi...’’

E deixo que as reticências sejam reveladas com o tempo. Afinal, você sabe que eu levo tempo pra me decidir, e se sabe.

Um comentário / COMENTE TAMBÉM

  1. Adorei o texto, Maggie. "Você sempre cheio de palavras e eu, somente as necessárias." - me identifiquei muito com essa frase, hahahaha.

    Continue escrevendo, que eu sempre continuarei lendo.

    Beijos,

    http://foinomesdedezembro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir