agosto 15, 2015

Qual a graça?

Pra falar a verdade, eu nem gostava de futebol. Mas veja só, eu achei tão bonitinho te ver torcendo. Os olhos atentos, apertando minha mão. Eu até entro no clima, fico nervosa de verdade. Você fica falando que o cara deveria ter chutado pra lá, feito não sei o que de lado, um negócio de bicicleta. Você já me explicou, mas eu esqueci. E quando rola gol, você vem e me tasca um beijo, feliz da vida.

Eu também não gostava de bala de cereja, mas durante a semana corrida, quando a saudade aperta, eu como uma só pra lembrar de você. Eu ouço as músicas que você me mandou e aquelas que parecem ter sido feitas pra gente.

Quando a gente gosta, a gente se dispõe. A ver aquele filme chato só pra ver ele sorrindo. A tentar ajeitar a própria bagunça interna. O amor faz isso. Nos trás esperanças e sonhos.

E me diz, qual a graça de namorar só pra não ficar sozinho? Só pra mostrar que consegue ter alguém?

Qual o sentido de começar um relacionamento, se não são as pequenas coisas que fazem diferença. Qual o sentido disso tudo se as pernas não tremem, o coração não bate mais forte, as mãos não suam.

Qual o sentido de fingir algo se aquela pessoa não foi a que chegou e mudou tudo. Aquela que revirou tudo e mudou sua perspectiva. Aquela que tornou seus medos internos, externos. E te ajudou a tratar de se livrar deles. Jogou fora a sua insegurança, porque você sabe que pra aquela pessoa, você é bonita com qualquer roupa e com o cabelo bagunçado. Você pode ter se aventurado por histórias incompletas, mas aquele certo alguém chega e te completa, da maneira que os outros não conseguiram.

É rir feito criança, sem ter medo de ser feliz. É ver filme abraçado comendo pipoca, conversar sobre política ou só sobre coisas bobas. Fazer graça, contar piada, arrancar sorrisos, rir das cócegas inesperadas. É chorar de alegria e guardar nos olhos o brilho de um amor.

Se é  só status, qual a graça?

E não é só sentir saudades do beijo. Amar de verdade é sentir saudade do sorriso, da voz, das brincadeiras, do abraço. É querer estar junto porque quando aquela pessoa está por perto, o mundo parece distante. Casais a gente vê em qualquer lugar. Agora, a pergunta é: Quantos deles estão vivendo um amor de verdade?

3 comentários / COMENTE TAMBÉM

  1. Que texto lindo! A mais pura verdade... Hoje em dia até relacionamentos são banalizados... Mas enfim. Eu acredito em amor verdadeiro e acredito também estar vivem um... <3

    http://www.personalidadefeminina.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado, Camila! c:

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir