dezembro 13, 2015

O caminho da felicidade


É engraçado como as pessoas vão tão longe para ser feliz. São viagens de milhares de quilômetros procurando qual a estrada certa para seguir, qual esquina se deve virar, quando a felicidade está aqui tão pertinho.

Por vezes, oculta por entre dias ruins. Entre tempestades e medo. Entre ruínas de lembranças se encontra um peito dilacerado e a melancolia no ar. Os dias corridos, os sentimentos oprimidos. O sempre mesmo “deixa pra depois”. Deixa que vá, deixa que seja como for. E nem percebe como o dia está bonito.

Vivemos na constante desesperança de dias melhores.

Há algum tempo, vi “Questão de Tempo”. Se trata de um homem, Tim, que recebe a notícia de seu pai que pertence a uma linhagem de viajantes no tempo. Sua primeira decisão é usar isso para conseguir um amor.

Durante muito tempo, Tim voltava no tempo diversas vezes para fazer um mesmo momento ser perfeito, quando certo dia, ele decide parar. E começa a viver cada dia como se fosse o último. Até mesmo os piores dias, ele os vive por inteiro.

Corremos tanto pela felicidade, fazemos tantos planos, tantas estratégias, porque no final das contas, somo cegos. Não vemos e não a encontramos nos dias.

Felicidade não são as palavras definidas por um dicionário. “Ato de satisfação plena, boa sorte, estado de estar contente”.

É aquilo que guia a vida por caminhos bons. O abraço apertado, o sorriso de quem se ama, o sol, as flores. São os sentimentos que apertam o coração e põem um sentido no meio de tantas dúvidas, incertezas e medos. É o que motiva novas ações. É sonhar e realizar os sonhos. Ver a chuva e deixar molhar. É atravessar por tempestades, mas ser capaz de encontrar a esperança dentro de si.

É criar a própria história, escrevendo linha por linha o caminho de uma curta, mas extraordinária vida.

É tudo que podemos fazer para aproveitar esse passeio maravilhoso que é a vida.


Nenhum comentário

Postar um comentário